Patrocínio: favor ou negócio?

Cinco anos de atividade no marketing esportivo e eu ainda me surpreendo com o despreparo das empresas ao analisar um projeto de patrocínio… Acabei de receber um e-mail com uma resposta negativa ANTES de apresentar o projeto, então preparei este artigo com os principais benefícios gerados pelo patrocínio (e que muitas vezes não são explorados).

O maior patrimônio de uma empresa é sua marca. Esta pode ser trabalhada de diversas formas como publicidade, promoção, ponto de venda, etc. O patrocínio é apenas mais uma forma de reforçar a imagem das empresas, porém, com alguns diferenciais:

1) Incentivo ao esporte – esta ação promocional, além de ser vista pelo público presente nas competições, ainda pode (e deve) ser explorada pelo patrocinador através de campanhas publicitárias, jornais internos, benefícios para os funcionários, relacionamento com clientes, etc, apresentando um lado social do patrocinador.

2) Credibilidade – quanto mais uma marca é vista, mais é lembrada. Isso faz com que o público consumidor de um determinado produto se sinta confiante ao adquirir um outro produto da mesma marca.

3) Laboratório – Em todo o mundo, produtos são desenvolvidos e testados dentro das competições, desde roupas até equipamentos tecnológicos.

4) Visibilidade – Patrocinar uma atividade esportiva, além de fortalecer a empresa perante seus consumidores, é uma oportunidade de apresentar a marca da empresa para pessoas que, normalmente, não estão dispostas a conhecer novos produtos.

Mesmo se esquecermos esse lado subjetivo do patrocínio, ainda podemos cobrar das empresas proponentes o espetáculo nos dias de evento e o retorno de mídia que, geralmente, é bem maior do que o investimento realizado (desde que haja uma equipe competente por trás).

Mas todo esse glamour só é possível se existir uma pessoa qualificada dentro das empresas para identificar as oportunidades e analisar os projetos de patrocínio. Caso contrário, elas podem passar pela mesa da secretária sem ninguém tomar conhecimento, e todos nós perdermos um grande negócio.

Deixe uma resposta