Balanceamento Dinâmico

Balanceamento Dinâmico

Usar chumbo de balanceamento nas rodas do jipe sempre me pareceu agressivo ao meio ambiente e pouco eficaz. Na trilha, como usamos a calibragem e andamos em pedras e erosões, sempre corremos risco de danificar o balanceamento por barro nas rodas, giro em falso do pneu ou mesmo pela perda dos chumbinhos. Então resolvi testar o Balanceador Dinâmico Wizard.

Qual o motivo de balancear os pneus?

Rodas desbalanceadas danificam os pneus, diminuindo principalmente, sua vida útil. O desequilíbrio das rodas e pneus é o principal causador de vibrações percebidas no volante. Além de provocar um grande desconforto ao dirigir, devido às trepidações que são transmitidas ao volante, faz com que o sistema de suspensão tenha sua vida útil encurtada. Então, através do método tradicional, adicionamos chumbo nos pontos mais leves das rodas para que elas girem de forma uniforme, compensando qualquer tipo de imperfeição.

O Balanceador Dinâmico Wizard parte da lei de Newton que estabelece que “a cada ação corresponde a uma reação igual e contrária”. Ele é composto de microesferas de vidro que atuam dentro do pneu ou da câmara de ar a partir de 35 km/h, se ajustando nas partes em que existe o desbalanceamento através da força centrífuga, se fixando por meio da estática do contato das microesferas com o pneu. Confira a ilustração abaixo.

Teoria muito boa, não é? Depois de ler diversos relatos positivos e negativos em alguns fóruns na internet, resolvi testar. Comprei a “dose” certa para os meus novos pneus Genius 1001 30×9,5 R15 e montei no Suzuki Vitara. Difícil foi convencer o borracheiro que o produto funciona. Tudo deu certo quando brinquei que, se não desse certo, ele ganharia mais uma desmontagem / montagem do jogo todo.

Limpamos bem a parte interna dos pneus e deixamos abertos na garagem uma semana antes da montagem para garantir que estariam bem secos. Então jogamos os saquinhos do balanceador dentro dos pneus (como indicado na embalagem) e calibramos com ar comprimido (livre de umidade).

Saí da borracharia com o carro parecendo um cachorro feliz, de tanto que abanava a traseira. Mas em pouco mais de 1km o produto começou a se acomodar. É interessante que dá para sentir direitinho quando os saquinhos se rompem dentro dos pneus.

Em uma semana rodei um pouco mais de 300km. Então vamos aos resultados:
– Entre 30 e 50 km/h o carro balança um pouco, mas dá para aceitar.
– De 50 a 85km/h ficou perfeito.
– Na estrada, acima de 90km/h trepida muito.

Como o Vitara é meu carro de uso geral, ando bastante acima dos 100km/h, então resolvi voltar para os tradicionais chumbos.

Depois de voltar ao borracheiro e ouvir todo tipo de gozação sobre minha experiência, notamos que houve uma falha durante o processo. A orientação do distribuidor é colocar o produto com embalagem dentro dos pneus e fechá-los. Mas 300km depois, ainda restavam microesferas dentro dos saquinhos plásticos.  Ou seja, o uso não liberou todas as bolinhas.

Pode ser que inserindo as microesferas sem o plástico, o produto tenha melhor resultado. De qualquer forma, a técnica é bem interessante para jipes de uso exclusivo off Road, que geralmente não trafegam acima de 90km/h e sofrem mais com o desbalanceamento.

Para mais informações, visite o site do distribuidor: www.bdw.com.br.

Deixe uma resposta